ICBJ REALIZA TANABATA 2018 COM PRIMOROSAS INOVAÇÕES

No dia 07/07, ou mais precisamente, no sétimo dia do sétimo mês lunar (conforme reza a lenda), o Instituto Cultural Brasil-Japão realizou mais uma animada e concorrida Festa de Tanabata, em sua sede social, com atividades diversificadas, para fruição e gáudio de seu quadro social, diretores, professores, funcionários, alunos e convidados em geral.

Na parte da manhã, das 10 às 12 horas, ofereceu oficinas gratuitas de arte japonesa, com a colaboração de seus professores Leda Vaz Ferreira, origami; Harumi Kato, yukata; Chizu Katayama, shodo; e Toshie Murakoshi, culinária. A novidade atraiu e encantou os participantes!

A parte da tarde foi reservada para apresentação de palestra, encenação de peças teatrais e confraternização geral. Antes de dar prosseguimento à programação, a professora Viviane Barbosa dos Santos, que coordenava o evento, solicitou do Diretor-Secretário do ICBJ, João Baptista de Oliveira, dirigisse algumas palavras ao público.

Este deu as boas-vindas a todos e encareceu a importância de estarem reunidos na sede social do ICBJ, que completava seus 60 anos de inauguração. Informou, então, que, naquele local, no dia 14 de junho de 1958, havia acontecido a cerimônia de inauguração da sede do ICBJ, com a presença do Príncipe Mikasa e da Princesa Yuriko, que se encontravam em visita à Cidade do Rio de Janeiro para as comemorações dos 50 Anos da Imigração Japonesa no Brasil. Citou as presenças, na solenidade, do Embaixador do Japão, Yoshiro Ando, que propiciara a fundação do ICBJ, do Embaixador Brasileiro, Francisco Cavalcante Pontes de Miranda, fundador, 1º Presidente e Patrono do ICBJ, entre várias outras Autoridades.

Observou que os cursos de Língua e de Artes Japonesas haviam sido criados e iniciados pelas esposas dos embaixadores, Hideko Ando e Amnéris Pontes de Miranda, com o Diretor Cultural Teitaro Takahashi, tendo por alunos, inicialmente, membros do Corpo Diplomático e da elite brasileira. Destacou que o 1º Tanabata datava de 1960 e que, em anos posteriores, formaram-se longas filas nos elevadores para acesso à sede do ICBJ, com o objetivo de apreciar-se o famoso evento.

Parabenizou os professores do ICBJ pela dedicação e empenho na implementação do intercâmbio cultural e de amizade entre o Brasil e o Japão, razão de ser do ICBJ. Estendeu seus cumprimentos às professoras dos cursos de artes, que se haviam dedicado às oficinas na parte da manhã, e à professora de Língua Japonesa Nguyen Vuong, que havia ensaiado os alunos para a encenação da Lenda de Tanabata na parte da tarde. Louvou, em seguida, a atuação do Prof. Douglas Magalhães Almeida, que vinha desenvolvendo um excelente trabalho na área de História e Cultura, em apoio à Diretora Cultural do ICBJ Maria Bernardina de Oliveira Silva. Passou-lhe, então, a palavra para a apresentação de sua palestra “Matsuri: a tradição dos festivais japoneses”.

Socorrendo-se de projeções, o Prof. Douglas Magalhães Almeida dimensionou a pluralidade de sentidos do termo Matsuri; enfocou as festas juninas na tradição católica e sua expansão; cotejou as relações entre Budismo e Xintoísmo; comentou a tradição reimaginada do Matsuri; discorreu sobre a realização do Tanabata em diferentes instituições; abordou a memória da imigração concernente a Matsuri; explicou o sentido do tori; e reportou-se ao hanami (apreciação do florescimento), que não se restringia apenas à sakura.

Concluída a palestra, o Presidente do ICBJ, Sohaku Raimundo Cesar Bastos, deu as boas-vindas a todos; elogiou a programação do evento; agradeceu o empenho de diretores, professores, funcionários, associados, alunos e outros; e convidou-os a deleitarem-se com a sequência da programação. Assistiu-se, então, à engraçadíssima encenação da fábula japonesa “Monotoro, o Menino Pêssego”, por alunos do Curso de Língua Japonesa, de Tinguá, trazidos por seu professor Yuki Yamamoto, do ICBJ. Os aplausos que se seguiram coroaram o êxito da exibição dos alunos visitantes.

A professora Viviane Barbosa dos Santos, antes da entrada do elenco da peça “Lenda de Tanabata”, esclareceu sobre seu enredo e agradeceu às professoras Nguyen Vuong o ensaio dos alunos e Toshie Murakoshi a vestimenta dos personagens com quimonos. A belíssima encenação, tendo por protagonistas a Princesa Orihime (aluna Akemi Barbosa de Novaes) e Kengyu (aluno Peddro Paulo Ribeiro dos Santos), mereceu efusivos aplausos da atenta plateia.

Passou-se, então, ao coquetel de confraternização, bastante animado e descontraído, com a saudável interação de professores, alunos, diretores, associados e demais convidados. O Diretor-Secretário do ICBJ, João Baptista de Oliveira, serviu-se do ensejo para agradecer a todos, em especial à Coordenadora de Cursos do ICBJ Toyoko Yamashita e à equipe de professores, pelo saudável entrosamento com o alunado, e também à Diretora Satiko Sakatsume pelo irrepreensível coquetel. Anunciou a presença do Vice-Presidente do ICBJ, Keizo Akamatsu, e convidou a todos para o evento “Mês do Japão”, coordenado por ele, com o apoio do Consulado-Geral do Japão, em cartaz no Centro Cultural dos Correios até o dia 29 de julho. Registrou, por fim, a vinda à Cidade do Rio de Janeiro, no dia 18 de julho, de Sua Alteza Imperial, a Princesa Mako Akishino, neta do Imperador Akihito. Informou que sua visita integrava as comemorações dos “110 Anos da Imigração Japonesa no Brasil”, cuja programação incluía o plantio de mudas de ipê no Jardim Botânico, oriundas de muda plantada por seu avô Akihito, em 1967, quando ainda era príncipe.

João Baptista de Oliveira
Diretor Secretário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *