Topo
Whatsapp
Published date Publicado em 8 de maio de 2021

A história do Japão é imensa! Por isso, segmentamos esse conteúdo para trazer mais informações pra você de maneira didática. E hoje vamos falar da História do Japão – Parte 1.

A História do Japão – Parte 1

Nesse artigo vamos tratar das 3 Eras iniciais da História do Japão. São elas:

  • Era Jomon (c. 15000 – c. 300 a.C.)
  • Era Yayoi (c. 300 a.C. – c. 300 d.C.)
  • Era Kofun (c. 300 – 538)

Veja os detalhes abaixo, de cada Era e conheça mais à fundo, sobre a História do Japão.

Era Jomon (c. 15000 – c. 300 a.C.)

A Era Jomon é marcada pela formação de inúmeras culturas de tribos nômades paleolíticas que chegaram às ilhas japonesas cerca de 15 mil a.C., no final do Período Glacial, e ali se estabeleceram. O nome provém do estilo de cerâmica empregada na época para a confecção de vasos, pequenas esculturas e tabuletas, a partir da técnica de impressão de cordas sobre a argila cozida e mole que ao esfriar ornamentava com padrões e formas.

A Era Jomon é marcada pela formação de inúmeras culturas de tribos nômades paleolíticas que chegaram às ilhas japonesas cerca de 15 mil a.C., no final do Período Glacial, e ali se estabeleceram. O nome provém do estilo de cerâmica empregada na época para a confecção de vasos, pequenas esculturas e tabuletas, a partir da técnica de impressão de cordas sobre a argila cozida e mole que ao esfriar ornamentava com padrões e formas.

O estudo desse momento ajuda a compreender as origens do Japão, com as diversas teorias de migração humana e sobre a composição étnica dos povos das ilhas (dentre elas temos como exemplo a Teoria de Java, que pensa a migração ter vindo pelo sul até atingir Hokkaido, e a Teoria da Ponte de Gelo, com uma camada congelada em que animais 3 caçados, como mamutes, e os seres humanos atravessaram do continente para as ilhas nipônicas).

A longa duração dessa era é marcada por períodos bastante diferentes. Durante o aquecimento da Terra o crescimento de mariscos nos litorais gerou uma cultura costeira Jomon de uso de conchas para fins rituais e estéticos, inclusive é a partir de um depósito de concheiro que o naturalista Edward Morse (1838-1925) constatou em 1877 a existência dos povos Jomons. Pouco mais tardiamente, cerca de 3000 a.C. há registros arqueológicos do advento de uma agricultura primitiva nas ilhas, resultado de possível contato entre os Jomons e os Reinos Coreanos que teriam passado técnicas a esses povos no sul do arquipélago e influenciado posteriormente o estabelecimento da sociedade sedentária.

A Era Jomon é marcada pela formação de inúmeras culturas de tribos nômades paleolíticas que chegaram às ilhas japonesas.

Era Yayoi (c. 300 a.C. – c. 300 d.C.)

A Era Yayoi tem seu nome também derivado de um motivo arqueológico, a partir de achados de vasos de cerâmica feitos com técnicas mais desenvolvidas de cozimento. Em sua duração existem dois momentos chaves: em seu início é marcada pela presença da migração de pessoas vindas tanto das Dinastias Chinesas como Coreanas, resultante de diversos motivos, como guerras e exílio. Essa presença e o constante contato de trocas com os reinos coreanos incentivaram o progresso tecnológico rápido dos povos dos arquipélagos.

Como resultado, o Japão entra nessa era simultaneamente na Idade do Ferro e do Bronze, sendo introduzido artefatos de metal e técnicas de metalurgia que aprimoram a agricultura sedentária, incluindo a introdução do cultivo do arroz por volta do séc. IV a.C. Por meio da melhora de qualidade de vida, armazenamento de alimentos para o inverno e crescimento populacional, passam a surgir assentamentos sedentários no arquipélago, a exemplo do que é encontrado nas escavações do sítio arqueológico Yoshinogari, em Saga, ao norte da Ilha de Kyushû, onde por muito tempo foi considerado ter sido o centro do poder durante a Era Yayoi.

Com o surgimento dos assentamentos, também começaram a se formar as primeiras 4 lideranças locais em um modelo primitivo de Estado, derivando nos primeiros conflitos armados e tardiamente no surgimento de reinos até a formação de impérios em um modelo arcaico de Estado. Então iniciando o segundo momento chave, com a expansão militar e política a partir do Império de Yamatai, que alcançou a unificação das terras referentes a Kyushu, Shikoku e o sul de Honshu. Dali, inclusive, por volta do séc. II d.C. há o registro histórico chinês do Wei Zhi (297 d.C.) sobre a existência da Imperatriz Himiko de Yamatai (ou Reino de Wa, como denominam os chineses da Dinastia Wei) que teria feito ativamente relações diplomáticas com a China e Coréia.

A Era Yayoi tem seu nome também derivado de um motivo arqueológico.

Era Kofun (c. 300 – 538)

A Era Kofun tem esse nome devido às grandes tumbas megalíticas encontradas por todo o Japão, em especial na região do Império Yamato, onde eram enterrados membros da casa real, sendo o maior deles o Daisenryô Kofun do Imperador Nintoku (257-399, conforme datação tradicional) localizado em Sakai, Osaka.

Essas tumbas em montes artificiais de terra e pedra têm dos mais diversos contornos (circulares, dólmens ou mesmo formato de sino) e denotam um Estado Imperial forte e complexo, com um poder estruturado a ponto de mobilizar um número grande de mão de obra, mesmo tendo precedido à introdução da escrita ou um funcionamento burocrático. Os Haniwa, esculturas de argila presentes nessas grandes tumbas, representam figuras que indicam uma diplomacia arcaica constante com as Dinastias Coreanas e exércitos de cavalaria arqueira. Justamente por preceder à memória escrita, pouco sabemos muito além disso.

Alguns pesquisadores ou áreas de estudos 5 consideram esse período indo de cerca de 300 d.C. até 710, quando ainda são construídos esses túmulos. Aqui consideramos esse período afim de melhor compreender como se deu a estruturação do Estado antes da chegada da escrita e fundação da burocracia imperial Yamato.

A Era Kofun tem esse nome devido às grandes tumbas megalíticas encontradas por todo o Japão, em especial na região do Império Yamato.

A História do Japão – Parte 1 – Continuação

Fique ligado(a) aqui no blog do ICBJ, porque em breve você vai ter a continuação da História do Japão em sete partes.

Fonte: Dados retirados do “Resumo conciso da História do Japão ANBEHCJA ICBJ”

Autor: Douglas Magalhães Almeida (@gehja.estudos.japoneses)

Saiba mais sobre nosso Curso de História do Japão, Clique aqui.