Topo
Whatsapp

MATRÍCULAS ABERTAS

AVISO para os amantes das artes manuais japonesas: o ICBJ lá liberou a agenda para nova turma ONLINE do Curso de Origami!

ORIGAMI é uma arte milenar composta por duas palavras: Ori (dobrar) + Kami (papel).
O ato de dobrar representa uma transformação, este papel que já teve vida um dia, foi uma árvore, ao dobrarmos damos nova vida a ele, transformando-o em um objeto, um animal ou até mesmo em uma escultura.

Para o mestre origamista Akira Yoshisawa, “o origami é um diálogo entre o artista e o papel”.

São tantas as aplicações do origami, que essa arte pode ser um passatempo, uma terapia ou até uma atividade remunerada.

Saiba mais sobre os Cursos do ICBJ, Clique aqui.

5 BENEFÍCIOS DA PRÁTICA DO ORIGAMI

O QUE VOCÊ VAI APRENDER?

1- Tipos de papel
2- Leitura através da simbologia
3- Formas básicas
4- Dobraduras com formas básicas
5- Dobraduras intermediárias
6- Utilização do origami

QUAIS SÃO OS VALORES?

Mensalidade: R$ 190,00

Pagamento do curso completo à vista: R$ 760,00 – 5% de desconto = R$ 722,00

Mensalidade para alunos de Japonês do ICBJ: R$ 190,00 – 10% de desconto = R$ 171,00

COMO SÃO AS AULAS?

O Curso de Origami do ICBJ é oferecido ONLINE e ao vivo através da plataforma Google Meet, o que permite tirar suas dúvidas e ter supervisão personalizada sem precisar sair de casa.

Você vai aprender não só a replicar os movimentos, mas entender como fazer origamis por conta própria.

QUAIS MATERIAIS SERÃO UTILIZADOS?

1- Papel quadrado – tamanho 7,5 cm x 7,5 cm
2- Papel quadrado – tamanho 15 cm x 15 cm
3- Estilete
4- Régua de metal
5- Cola
6- Espátula (marcador)

Observação: Os papéis deverão ser de preferência com um lado branco e o outro estampado ou colorido.

QUEM É A PROFESSORA?

Professora Miriam Nigri Dana

1- Formada em Artes Decorativas;
2- Voluntária do INCA, utilizando Origami como terapia;
3- Fez curso de Origami com a professora Asako Yoshii;
4- Curso de escultura com Sandro Lucena;
5- Participações em exposições de Origami;
6- Dinamizadora de Workshop de Origami para o Consulado do Japão no Rio de Janeiro e para Associação Nagai;

HISTÓRIA DO ORIGAMI

Origami é uma arte milenar composta por duas palavras: Ori (dobrar) + Kami (papel).

O ato de dobrar representa uma transformação, este papel que já teve vida um dia, foi uma árvore, ao dobrarmos damos nova vida a ele, transformando-o em um objeto, um animal ou até mesmo em uma escultura.

Para o mestre origamista Akira Yoshisawa “o origami é um diálogo entre o artista e o papel”.

No Japão o papel foi introduzido pelos monges budistas. Como era caro e de difícil acesso, somente eles o usavam. A prática da dobradura era restrita às cerimônias religiosas e festivas. Mais tarde quando o papel ficou mais acessível os nobres passaram a dobrar e por fim o povo também teve acesso.

Os japoneses desenvolveram a sua própria tecnologia usando fibras vegetais para obterem seus papéis. O papel tipicamente japonês ficou conhecido como Washi. Sobre ele podia-se escrever ou usá-lo para várias finalidades, inclusive o origami.

O registro mais antigo sobre dobradura de papel está num poema de Ihara Saikaku datado de 1680. Foi no Período Edo (1603 a 1867) que o papel se tornou abundante. O origami popularizou-se na proporção em que o papel se tornou menos caro, com o desenvolvimento de métodos mais simples para sua criação.

Duas obras foram publicadas contendo orientações para execução de origamis:
Hiden Sembazuru Orikata de Arisato Rito (1797)
Kayaragusa de Adachi Kazuyuki (1845)

Com a publicação do livro “kan no mado”, em 1845, o origami difundiu-se como atividade recreativa no Japão. Ele continha aproximadamente 150 modelos de origami. Com isso os origamis tradicionais que conhecemos hoje se tornaram mais populares.

O grow japonês ou tsuru, uma ave considerada tradicionalmente sagrada, tornou-se um símbolo do origami. Ele tem uma vida longa e por isso foi associado à prosperidade, saúde e felicidade. Nas festividades está sempre presente em forma de origami.

As inquietações criativas e inovadoras do mestre Akira Yoshisawa eram incessantes, ele padronizou regras para representação gráfica das dobras que servem de base para vários origamistas. Seus trabalhos foram reconhecidos internacionalmente e houve uma grande explosão de origamis entre 1950-1960.

No século XIX na Alemanha, Froebel (criador do jardim de infância – JI) viu que o origami poderia ser útil nas atividades pré-escolares por ser muito geométrico. As escolas passaram a usar o origami como ajuda no aprendizado.

Existe no Japão um dia especial para essa arte – dia 11 de novembro. Ela é representada pelo Tsuru que foi reconhecido como símbolo da paz. No Brasil o origami foi introduzido pelos imigrantes japoneses.

O origami ajuda no combate ao estresse, na coordenação motora, na memória, concentração, na sociabilização e na criatividade.

SAIBA MAIS SOBRE O ICBJ

    Faça sua Pré-Matrícula